Sobre mudanças e canções

“Devia ter complicado menos
Trabalhado menos
Ter visto o sol se pôr
Devia ter me importado menos
Com problemas pequenos
Ter morrido de amor”


 

(Trecho da música de Epitáfio – Compositor: Sérgio Britto)


 

A música sempre mexeu comigo. A sonoridade, a melodia e acima de tudo as letras.

Sou daquelas que tenho para cada fase da vida uma trilha sonora bem definida.

Aqui cabe uma pequena confissão: também sou dessas que ouve a mesma música repetidas vezes, inúmeras vezes.

Em alguns casos me pego pensando por que razão não fui eu a compositora daquela letra, afinal, alguém chegou na minha frente e disse tudo que eu queria dizer e não consegui.

Outras vezes, imagino o que estava passando na vida daqueles compositores, o que os fez escrever com tanta perfeição e detalhe os nossos sentimentos, nossas dores e nossas alegrias.

Mas também devo confessar que poucas músicas me tocam tão profundamente como Epitáfio de autoria de Sérgio Britto e eternizada na voz dos Titãs.

E neste momento da minha vida, em especial,  que vivo um processo de grandes mudanças , essa letra nunca fez tanto sentido. 

 

Sair da nossa zona de conforto, ousar, transformar-se, buscar novos caminhos, novas possibilidades e soluções criativas é disso que estou falando.

 

É assim que me vejo hoje, mas preciso dizer que esse caminho de reflexão e transformação começou junto com o meu inicio na mediação.

 

Acho até que quanto mais eu conhecia a mediação, quanto maior era o meu processo de aprendizado e de auto-conhecimento (tão necessários na formação de um mediador), mais eu me aproximava dessa busca por mudanças e assim eu já me sentia parte integrante da música dos Titãs.

 

Precisava nos meus dias de mais por do sol, precisava me importar cada vez menos com problemas pequenos. Precisava arriscar mais e até errar mais, fazer o que eu queria fazer...

 

Precisava entender a minha caminhada até aqui e principalmente onde eu queria chegar.

Precisava, ainda,e acima de tudo, traçar novas e diferentes rotas que mostrariam novas paisagens e lançariam novos desafios.

 

A mudança.

Afinal,que mudança ou mudanças seriam necessárias para seguir um novo rumo...

Pergunto-me : Qual é a vida que quero viver... O que é mais importante para mim...

Entendi que era tempo de apostar.

 

Sinto-me orgulhosa de perceber que tive a coragem de colocar em prática algumas reflexões que costumo trazer aos meus mediandos.

Algumas vezes peço que eles experimentem novos modelos, façam apostas, que busquem mudanças e que saiam de suas zonas de conforto. Ou que simplesmente, confiem.

 

E hoje, conversando com meus filhos me vi dizendo a eles:

“Confiem na mamãe, sei que as mudanças nos trazem desafios, podemos achar num primeiro momento que será difícil demais, complicado demais, mas acreditem isso nos fará mais fortes e unidos. As coisas mais importantes da vida - que não são coisas - estão dentro de nós. Seremos felizes. Podem apostar.”

 

E por fim, para todos nós que seguimos acreditando que é possível viver num mundo com mais empatia, para nós que acreditamos no poder transformador e revolucionário da mediação, vejam bem o que essa belíssima canção nos ensina:

 

“Queria ter aceitado

As pessoas como elas são

Cada um sabe a alegria

E a dor que traz no coração“

 

 

 

Compartilhar no Facebook
Please reload

Siga
Procure por  assuntos:
Please reload

  • Facebook Social Icon

© 2017 por Ana Kucera